Preços Agropecuários: alta de 0,48% na primeira quadrissemana de maio

            O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1,2 registrou pequena alta de 0,48% na primeira quadrissemana de Maio de 2010. O IqPR-V (produtos de origem vegetal) e o IqPR-A (produtos de origem animal) fecharam com variações positivas de 0,39% e de 0,71%, respectivamente (Tabela 1).

Tabela 1. Variação Percentual do IqPR, Estado de São Paulo, 1ª Quadrissemana de Maio de 2010.

São Paulo
São Paulo s/cana
IqPR
0,48
- 1,32
IqPR-V
0,39 
- 3,26 
IqPR-A
0,71 
-
Fonte: Instituto de Economia Agrícola (IEA).

            Quando a cana-de-açúcar é excluída do cálculo do índice, devido a sua importância na ponderação dos produtos, os índices IqPR e IqPR-V (cálculo somente dos produtos vegetais) apresentaram quedas acentuadas e encerraram com variações negativas na ordem de 1,32% e 3,26%, respectivamente (Tabela 1).

Tabela 2 - Variações das Cotações dos Produtos, Estado de São Paulo, 1ª Quadrissemana -Maio de 2010.

Origem
Produto
Unidade
Cotações (R$)
Variação quadrissemanal (%)
1ª Abril/10
1ª Maio/10
VEGETAL
Algodão
15 kg
51,55
54,75
6,20
Amendoim
sc.25 kg
25,12
28,84
14,81
Arroz
sc.60 kg
34,45
34,53
0,23
Banana nanica
cx.21 kg
12,16
11,01
-9,45
Batata
sc.60 kg
...
...
...
Café
sc.60 kg
258,53
263,24
1,82
Cana-de-açúcar 
t de ATR
348,43
359,10
3,06
Feijão
sc.60 kg
96,43
125,74
30,39
Laranja p/ Indústria IIndústria pp/indústria
cx.40,8 kg kg
8,95
9,12
1,81
Laranja p/Mesa 
cx.40,8 kg
20,02
15,54
-22,38
Milho
sc.60 kg
14,75
14,89
0,96
Soja
sc.60 kg
32,20
32,82
1,95
Tomate p/ Mesa
cx.22 kg
37,07
26,88
-27,50
Trigo
sc.60 kg
23,73
23,02
-2,99
ANIMAL
Carne Bovina
15 kg
77,13
79,72
3,36
Carne de Frango
Kg
1,50
1,39
-7,45
Carne Suína
15 kg
50,80
51,38
1,14
Leite B
Litro
0,79
0,83
4,67
Leite C
Litro
0,72
0,76
4,32
Ovos
30 dz
38,72
38,42
-0,79

Fonte: Instituto de Economia Agrícola (IEA).

            Os produtos do IqPR que registraram as maiores altas nesta quadrissemana foram: feijão (30,39%), amendoim (14,81%), algodão (6,20%) e os leites tipos B e C (4,67% e 4,32% respectivamente) (Tabela 2).

            Os preços recebidos pelos produtores paulistas de feijão continuam na sua escalada de alta. O abastecimento de feijão no Brasil dá-se por safras complementares e seqüenciais durante o ano, que iniciam com a colheita dos plantios das águas catarinenses, paranaenses e depois paulistas. No período de colheita da safra das águas, os preços não estiveram remuneradores e desestimularam (ou atrasaram) os plantios da safra subseqüente (período das secas), em especial em São Paulo e Paraná, gerando escassez que catapultaram os preços. E de imediato, até a colheita da safra da seca em curso e o plantio da safra de inverno, nada indica possibilidade de haver refluxo desta escalada altista. Ressalte-se que, nessa gangorra agora, o consumidor paga mais caro, mas a renda agropecuária bruta não se mostra maior.

            No amendoim, os preços mais altos derivam dos impactos da redução da safra nacional, dada a queda estimada pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) em 22,9%, em relação à anterior. No Estado de São Paulo, estimativas do Instituto de Economia Agrícola (IEA) e da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI) apontam redução de quase 25% da área plantada do amendoim das águas, devido principalmente à menor disponibilidade das áreas de renovação de canaviais. Junto a isso (mesmo com a existência de uma densa oferta na região de Jaboticabal), reforça a ascensão dos preços recebidos pelo produtor de amendoim no estado de São Paulo o incêndio que provocou a perda de cerca de 400 mil de sacas na cidade de Herculândia, na região de Tupã.

            No caso do algodão, os preços internacionais dispararam dada a redução dos estoques, com o que os preços internos subiram mais que a valorização cambial. A oferta menor que o consumo da agroindústria têxtil brasileira deverá manter viés de alta para os preços da pluma nos próximos meses, dado o patamar da safra nacional que somente poderá ser redimensionada para cima no próximo ciclo produtivo. Este é o mesmo indicativo para o preço do produto paulista, uma vez que a agroindústria têxtil estadual é importadora líquida de pluma.

            Para os leites B e C, o movimento altista vem do setor varejista, via transmissão para os elos a montante do fluxo produção-consumo de lácteos, num processo de repasse gradual dos reajustes (através dos contratos produtor-agroindústria). Este fator indica elevada possibilidade de continuidade do ciclo de alta do produto no Centro Sul do Brasil. Ressalte-se que as majorações se dão a partir de preços baixos e no momento em que se tem a perspectiva de inverno rígido.

            Os produtos que apresentaram as maiores quedas na primeira quadrissemana de maio foram: tomate para mesa (27,50%), laranja para mesa (22,38%), banana nanica (9,45%), carne de frango (7,45%) e trigo (2,99%) (Tabela 2).

            A queda do preço do tomate reflete a entrada dos novos plantios. Estimulados pelos altos preços do início de março, produtores de várias regiões ampliaram suas áreas de cultivo, o que deve levar a nova queda acentuada de preços. Outros fatores que contribuíram para a queda do preço foram a diminuição do consumo devido ao alto preço no mercado varejista e a baixa qualidade do produto restante da safra de verão de Itapeva.

            Na laranja de mesa, a queda dos preços se manifesta principalmente pela entrada da safra de vários tipos de frutas e pela redução de seu consumo nesse período de dias mais frios. Ademais, no mercado de laranja para indústria o sinal inverso reflete a preponderância das compras por contrato.

            Na banana, o recuo dos preços decorre do início da normalização dos fluxos e da resistência dos consumidores que passaram a comprar menos dessa fruta em função da conjunção de preços altos para frutos de qualidade inferior. Além disso, a entrada da safra de outras frutas contribuiu para frear o ciclo de altas exacerbadas.

            Na carne de frango, a ampla oferta, principalmente, da região de Bragança Paulista, aliada à queda da remuneração das exportações pela valorização cambial e à maior oferta de carne bovina barata, impulsionaram os preços para baixo. Por outro lado, os menores preços da carne de frango refletem também a redução dos custos de produção derivada dos preços de milho e soja que continuam em patamares muito baixos.

            O trigo, no exato momento em que se inicia o plantio da safra nacional, tem seus preços recuados, frente a uma conjuntura de valorização cambial e oferta não restrita no mercado internacional. Esse fato pode formar expectativas pouco animadoras para o plantio do trigo brasileiro, cujos impactos poderão ser dimensionados de forma adequada na entrada do segundo semestre, quando a área plantada e o andamento da safra estarão definidos.

            No período analisado, 13 produtos apresentaram alta de preços (9 origem vegetal e 4 de origem animal) e 6 apresentaram queda (4 vegetal e 2 animal).

_________________________________
1 A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 09/04/2010 a 08/05/2010 e base = 09/03/2010 a 08/04/2010.

2 Artigo completo com a metodologia: Pinatti, E.; Sachs, R.C.C.; Angelo, J.A.; Gonçalves, J.S. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v.38, n.9, p.22-34, set.2008. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573

Data de Publicação: 13/05/2010

Autor(es): José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Sidnei Gonçalves (sydy@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Luis Henrique Perez (lhperez@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Danton Leonel de Camargo Bini (danton@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor