Preços Agropecuários: queda de 2,28% na primeira quadrissemana de julho

    O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1,2 registrou queda de 2,28% na primeira quadrissemana de julho de 2010. O IqPR-V (produtos de origem vegetal) também fechou com variação negativa de 3,82% e o IqPR-A (produtos de origem animal) subiu 1,53% (Tabela 1).

Tabela 1. Variação Percentual do IqPR, Estado de São Paulo, 1ª Quadrissemana de Julho de 2010.

São Paulo
São Paulo s/cana
IqPR
- 2,28
- 0,49
IqPR-V
- 3,82
- 2,42 
IqPR-A
1,53 
-
Fonte: Instituto de Economia Agrícola (IEA).

            Quando a cana-de-açúcar é excluída do cálculo do índice, devido a sua importância na ponderação dos produtos, o IqPR e o IqPR-V (cálculo somente dos produtos vegetais) caem 0,49% e 2,42% respectivamente (Tabela 1).

Tabela 2 – Variações das Cotações dos Produtos, Estado de São Paulo, 1ª Quadrissemana de Julho de 2010.

Origem
Produto
Unidade
Cotações (R$)
Variação quadrissemanal (%)
1ª Junho/10
1ª Julho/10
VEGETAL
Algodão
15 kg
52,05
53,76
3,29 
Amendoim
sc.25 kg
30,58
31,38
2,62 
Arroz
sc.60 kg
36,17
35,65
- 1,45 
Banana nanica
cx.21 kg
9,94
11,72
17,91 
Batata
sc.60 kg
68,17
53,38
- 21,69 
Café
sc.60 kg
268,69
281,16
4,64 
Cana-de-açúcar 
t de ATR
384,23
365,60
- 4,85 
Feijão
sc.60 kg
144,31
126,54
- 12,31 
Laranja p/indústria
cx.40,8 kg kg
14,46
14,07
- 2,69 
Laranja p/Mesa 
cx.40,8 kg
16,05
16,12
0,45 
Milho
sc.60 kg
15,20
15,18
- 0,14 
Soja
sc.60 kg
34,26
33,94
- 0,92 
Tomate p/ Mesa
cx.22 kg
29,91
20,17
- 32,55 
Trigo
sc.60 kg
23,00
23,00
0,00 
ANIMAL
Carne Bovina
15 kg
78,66
80,83
2,76 
Carne de Frango
Kg
1,39
1,38
- 0,86 
Carne Suína
15 kg
52,83
49,48
- 6,34 
Leite B
Litro
0,85
0,84
- 1,12 
Leite C
Litro
0,79
0,79
- 0,12 
Ovos
30 dz
39,17
41,45
5,81 

Fonte: Instituto de Economia Agrícola (IEA).


 

            Os produtos do IqPR que registraram as maiores altas neste mês foram: banana nanica (17,91%), ovos (5,81%), café (4,64%), algodão (3,29%), carne bovina (2,76%) e amendoim (2,62%). (Tabela 2).

            A oferta reduzida de banana tem afetado os preços, estando esta ocorrência associada à continuidade de baixas temperaturas (com a redução na umidade do ar) que vêm retardando o crescimento da fruta desde o final de maio, prolongando o tempo necessário à formação dos cachos de banana e gerando a escassez que provoca aumento nos preços.

            Os ovos vêm passando por processo de recuperação dos preços que estiveram muito baixos e que agora tendem a recompor o patamar da mesma época de 2009. Essa melhora nos preços, aliada à redução dos custos com o principal insumo da avicultura de postura (o milho), coloca o primeiro semestre de 2010 como de melhor rentabilidade nos últimos dez anos.

            No caso do café, a oferta de um produto de melhor qualidade junto a um aumento da demanda internacional tem elevado seus preços.

            No caso do algodão, os preços respondem à queda dos estoques internacionais e à quebra da safra dos cerrados, principal região produtora brasileira, que atingiu até 20% em razão da seca.
 
            A baixa oferta de boi gordo nas praças de comercialização paulistas tem pressionado os frigoríficos do estado de São Paulo a pagarem mais pela arroba da carne bovina.

            Os produtos que apresentaram as maiores quedas de preços em julho foram: tomate para mesa (32,55%), batata (21,69%), feijão (12,31%), carne suína (6,34%) e cana-de-açúcar (4,85%) (Tabela 2).

            Para o tomate de mesa, na esperada reversão da tendência de alta, os preços se ajustam à maior entrada de produto, em movimentos tanto para cima como para baixo, com variações de amplitude elevada.

            Os preços da batata derivam da diferença do alto valor cotado no início da safra (começo de maio) com os valores menores das últimas semanas, em decorrência da maior entrada de produto no mercado desta olerícola.

            No feijão, conforme esperado, as colheitas do final da safra das secas (que em muitos casos havia tido plantio atrasado por limitações climáticas) e as primeiras expectativas da produção da safra de inverno, reverteram as tendências dos preços no sentido da diminuição.

            Na carne suína, a não efetivação do reajuste na demanda esperado com a entrada do inverno, a redução das exportações que aumentaram no mercado doméstico a oferta da carne, principalmente, oriunda do sul do país e os baixos preços da carne de frango contribuem para a redução dos valores pagos ao produtor de suíno paulista.

            Na cana-de-açúcar, a redução dos preços da ATR reflete o aumento da moagem na safra 2010/11.

            No período analisado, 7 produtos apresentaram alta de preços (5 origem vegetal e 2 de origem animal) e 12 apresentaram queda (8vegetal e 4 animal).
_______________________________________________________________________________________________________
1A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 09/06/2010 a 08/07/2010 e base = 09/05/2010 a 08/06/2010.

2 Artigo completo com a metodologia: Pinatti, E.; Sachs, R.C.C.; Angelo, J.A.; Gonçalves, J.S. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v.38, n.9, p.22-34, set.2008. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573

Data de Publicação: 14/07/2010

Autor(es): José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Sidnei Gonçalves (sydy@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Luis Henrique Perez (lhperez@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Danton Leonel de Camargo Bini (danton@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor