Preços Agropecuários: alta de 1,87% na primeira quadrissemana de novembro

              O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1,2 registrou alta de 1,87% na primeira quadrissemana de novembro de 2010. O IqPR-V (produtos de origem vegetal) encerrou com elevação de 1,37%, e o IqPR-A (produtos de origem animal) fechou em alta de 3,12% (Tabela 1).



            Quando a cana-de-açúcar é excluída do cálculo do índice (devido a sua importância na ponderação dos produtos), tanto o IqPR como o IqPR-V (cálculo somente dos produtos vegetais) fecham, positivamente, em 2,14% e 1,20%, respectivamente (Tabela 1). A cana-de-açúcar ao apresentar uma elevação pouco significativa nos preços, por ser o principal produto da agropecuária paulista, ao mesmo tempo que acaba segurando a alta do índice geral (afetada pela subida dos preços da carne bovina), auxilia na variação à cima dos produtos de origem vegetal.


           Os produtos do IqPR que registraram as maiores altas nesta quadrissemana foram: amendoim (14,11%), carne bovina (10,57%), banana nanica (9,16%), batata (7,29%) e soja (6,67%) (Tabela 2).

            No amendoim, o ajuste decorrente de uma situação de menor oferta, aliado às pressões de demanda formam expectativas altistas.

            Para carne bovina, as cotações continuam em ascensão em função da entressafra, pois o período de seca produziu fortes impactos nas pastagens e reduziu a oferta de animais para o abate. Isso ocorre numa conjuntura de aumento da pressão de demanda pelo aumento da massa de salários que mantém a procura por carnes em geral. Isto faz com que o mercado varejista consiga repassar os aumentos vindos do atacado e consequentemente permite novos aumentos ao produtor.

            Os preços da banana comumente atingem seu pico na primavera, quando há maior propensão ao consumo e quando a oferta é prejudicada pelas ondas de frio dos meses anteriores que retardaram a formação dos cachos.

            No caso da batata, olerícola perecível em que se manifesta de forma exacerbada a gangorra de preços derivada de descompassos conjunturais entre a oferta e a procura do produto, ocorrem viradas abruptas e expressivas de tendência em função da realidade pontual do mercado. Essa menor oferta produziu o significativo aumento verificado nas últimas semanas.

            Os preços da soja estão pressionados pela demanda chinesa e de outras nações importadoras associadas à menor disponibilidade norte-americana para vendas externas, o que vem afetando o comportamento dos preços internacionais.

            Os produtos que apresentaram maiores quedas de preços na primeira quadrissemana de novembro foram: feijão (22,38%), tomate para mesa (8,55%), carne de frango (8,22%), laranja para indústria (4,98%) e leite C (4,78%) (Tabela 2).

            Os preços do feijão apresentaram queda porque ocorreu a entrada de volumes expressivos da produção irrigada.

            A redução dos preços do tomate se deve às condições climáticas favoráveis, aliadas à consistente base técnica, que juntas constituem fatores de aumento da produção.

            Os preços da carne de frango subiram no período anterior, reagindo a preços muito baixos. Entretanto, a redução da competitividade no mercado externo pela valorização cambial, elevou a oferta interna ocasionando a queda dos preços no mercado nacional.

            Nos contratos de laranja para indústria os preços recuam acompanhando o câmbio, manifestando-se inferiores aos da laranja in natura, como reflexo da predominância de contratos que acabam dando maior estabilidade aos preços e que atenuam tanto movimentos de alta (como é o caso) como de baixa (igual em conjunturas anteriores).

No período analisado, 11 produtos apresentaram alta de preços (9 de origem vegetal e 2 de origem animal) e 9 apresentaram queda (5 de origem vegetal e 4 de origem animal).

________________________________________________________

¹ A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 09/10/2010 a 08/11/2010 e base = 09/09/2010 a 08/10/2010.

² Artigo completo com a metodologia: Pinatti, E.; Sachs, R.C.C.; Angelo, J.A.; Gonçalves, J.S. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v.38, n.9, p.22-34, set.2008. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573

Data de Publicação: 11/11/2010

Autor(es): José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Sidnei Gonçalves (sydy@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Luis Henrique Perez (lhperez@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Danton Leonel de Camargo Bini (danton@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor