Preços Agropecuários: alta de 2,34% na primeira quadrissemana de dezembro

 

            O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1,2 registrou alta de 2,34% na primeira quadrissemana de dezembro de 2010. O IqPR-V (produtos de origem vegetal) encerrou com elevação de 1,39%, e o IqPR-A (produtos de origem animal) fechou em alta de 4,69% (Tabela 1).

 

Tabela 1. Variação Percentual do IqPR, Estado de São Paulo, 1ª Quadrissemana de Dezembro de 2010.

São Paulo
São Paulo s/cana
IqPR
2,34 %
2,26 %
IqPR-V
1,39 %
-0,05 %
IqPR-A
4,69 %
-
Fonte: Instituto de Economia Agrícola (IEA).
 

            Quando a cana-de-açúcar é excluída do cálculo do índice (devido a sua importância na ponderação dos produtos), o IqPR fecha ainda positivamente em 2,26%, mas o IqPR-V (cálculo somente dos produtos vegetais) apresenta queda de 0,05% (Tabela 1). Nesse sentido, numa leitura de conjunto, a presença da cana de açúcar ajuda a explicar a alta dos preços agropecuários dos produtos de origem vegetal no período, uma vez que os demais produtos com comportamentos divergentes de preços compensaram-se uns aos outros.

 

Tabela 2 – Variações das Cotações dos Produtos, Estado de São Paulo, 1ª Quadrissemana - Dezembro de 2010.

Fonte: Instituto de Economia Agrícola (IEA).

 

            Os produtos do IqPR que registraram as maiores altas nesta quadrissemana foram: milho (10,10%), carne suína (8,48%), carne de frango (6,81%), café (6,50%) e carne bovina (5,12%) (Tabela 2).

 

            O preço do milho vem aumentando em decorrência de pressões do mercado internacional face aos baixos estoques de passagens mundiais. Além disso, a perspectiva de que a oferta somente esteja normalizada no final do primeiro trimestre de 2011 leva a formação de expectativas altistas, precificando a possibilidade de maior escassez.

 

            A carne bovina, mesmo com o aumento da oferta de animais nos frigoríficos e a redução das cotações da última semana, apresenta no começo de dezembro preço médio maior que aquele vigente no início de novembro. Essa configuração explica o aumento dos preços recebidos pelo produtor de carne suína no mesmo período analisado, uma vez que um deslocamento percentual da demanda da carne bovina leva à impactos na procura por produtos substitutos à carne vermelha, a carne suína.

 

            Para a carne de frango e para os ovos, ocorre reposição dos valores pagos em parte também explicado pelo maior preço da carne bovina, levando os consumidores a buscarem substituir as carnes vermelhas.

 

            No caso do café, os preços desta commodity se elevam devido às pressões da demanda internacional e doméstica e aos menores estoques. Ademais, a redução em especial da safra colombiana abre espaço para vendas de café brasileiro de qualidade superior, elevando os preços médios no mercado interno de arábica, como o café paulista.

 

            Os produtos que apresentaram maiores quedas de preços na primeira quadrissemana de dezembro foram: feijão (14,38%), banana nanica (14,37%) e tomate para mesa (12,73%).

 

            Quanto aos preços do feijão, a queda é derivada da entrada de volumes expressivos das colheitas da safra das águas. Na última semana a maior entrada de produto fez os preços despencarem na principal região produtora paulista, fato que será refletido nas próximas semanas.

            No caso da banana, o gradativo aumento da temperatura e das chuvas acelera a formação dos cachos, aumentando a oferta da fruta ao mesmo tempo em que a propensão ao consumo diminui consequentemente reduzindo os seus preços.

 

            Para o tomate, um significativo aumento da produção levou à oferta conjuntural excedente desse produto perecível, reduzindo seus preços. Esse comportamento derivado de condições climáticas muito favoráveis também ocorre com outros produtos olerícolas, levando a preços muito baixos.

 

            No período analisado, 9 produtos apresentaram alta de preços (5 de origem vegetal e 4 de origem animal) e 10 apresentaram queda (8 de origem vegetal e 2 de origem animal).
________________________________________________________________________________________


¹A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 09/11/2010 a 08/12/2010 e base = 09/10/2010 a 08/11/2010.

²Artigo completo com a metodologia: Pinatti, E.; Sachs, R.C.C.; Angelo, J.A.; Gonçalves, J.S. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v.38, n.9, p.22-34, set.2008. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573


 

Data de Publicação: 14/12/2010

Autor(es): Luis Henrique Perez (lhperez@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Danton Leonel de Camargo Bini (danton@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Sidnei Gonçalves (sydy@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor