Preços Agropecuários: aumento de 0,19% no fechamento de dezembro

 

            O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1,2 registrou aumento de 0,19% no mês de dezembro de 2011. Tanto o IqPR-V (produtos de origem vegetal) como o IqPR-A (produtos de origem animal) fecharam com variações positivas, respectivamente de 0,12% e 0,37% (Tabela 1).
 

Tabela 1. Variação Percentual do IqPR, Estado de São Paulo, Dezembro de 2011.

São Paulo

São Paulo s/cana

IqPR

0,19 

-0,21 

IqPR-V

0,12 

-0,87 

IqPR-A

0,37 

Fonte: Instituto de Economia Agrícola (IEA).


 

            Já quando a cana-de-açúcar é excluída do cálculo do índice devido a sua importância na ponderação dos produtos, tanto IqPR como IqPR-V fecham negativos, respectivamente, em 0,21% e 0,87% (Tabela 1), isso em função da variação positiva da cana (0,64%) no período considerado.
 

Tabela 2 – Variações das Cotações dos Produtos, Estado de São Paulo, Dezembro de 2011.

Origem

Produto

Unidade

Cotações (R$)

Variação quadrissemanal (%)

4ª Nov/11

4ª Dez/11

VEGETAL

Algodão

15 kg

56,57

55,71

- 1,51 

Amendoim

sc.25 kg

37,23

35,62

- 4,31 

Arroz

sc.60 kg

29,90

30,78

2,94 

Banana nanica

cx.21 kg

13,91

14,29

2,69 

Batata

sc.60 kg

24,73

12,87

- 47,96 

Café

sc.60 kg

463,78

482,10

3,95 

Cana-de-açúcar 

kg de ATR

0,4984

0,5016

0,64 

Feijão

sc.60 kg

106,99

122,89

14,86 

Laranja p/indústria

cx.40,8 kg

8,89

9,80

10,22 

Laranja p/Mesa 

cx.40,8 kg

11,51

11,52

0,10 

Milho

sc.60 kg

26,15

25,08

- 4,08 

Soja

sc.60 kg

42,07

41,13

- 2,22 

Tomate p/ Mesa

cx.22 kg

29,74

22,40

- 24,65 

Trigo

sc.60 kg

27,26

25,97

- 4,74 

ANIMAL

Carne Bovina

15 kg

102,17

99,34

- 2,78 

Carne de Frango

Kg

2,07

2,13

3,31 

Carne Suína

15 kg

52,98

58,00

9,49 

Leite B

Litro

0,9456

0,9256

- 2,12 

Leite C

Litro

0,8635

0,8424

- 2,45 

Ovos

30 dz

41,50

44,49

7,19 

Fonte: Instituto de Economia Agrícola (IEA).


 


            Os produtos do IqPR que registraram as maiores altas no mês de dezembro foram: feijão (14,86%), laranja para indústria (10,22%), carne suína (9,49%) e ovos (7,19%) (Tabela 2).
 

            No feijão, o atraso da colheita das águas que foi plantada mais tarde que o habitual levou as colheitas de dezembro e as perspectivas para o inicio de janeiro a se mostrarem insuficientes frente às pressões de demanda.
 

            Na laranja para indústria a desvalorização cambial e a entrada da entressafra levaram a preços mais elevados face às disposições contratuais. Isso acontece numa realidade em que a laranja para mesa segue com preços praticamente estáveis, mesmo com a elevada procura nesta época do ano para o consumo de sucos em restaurantes, lanchonetes e residências.
 

            Na carne suína, as festas de final de ano tiveram impactos diretos nos preços mais elevados para esse produto, que é considerado diferenciado pelos consumidores nessas oportunidades.
 

            A antecipação dos descartes de aves com o intuito de se reduzir os custos com ração diminuiu a oferta de ovos desde o início de dezembro, elevando os preços recebidos pelos granjeiros.
 

            Os produtos que apresentaram as maiores quedas de preços neste último mês de 2011 foram: batata (47,96%), tomate para mesa (24,65%), trigo (4,74%), amendoim (4,31%) e milho (4,08%) (Tabela 2).
 

            Na batata, a entrada de maior quantidade de produto reduziu os preços recebidos no campo, mesmo fato que explica a reversão da trajetória dos preços do tomate de mesa. Ambas solanáceas, que configuram produto final perecível e, por isso mesmo, com preços com acirrada amplitude de variação conjuntural, em função da oferta de curto prazo, levam à gangorra de preços.
 

            No trigo, a existência de elevados estoques numa realidade em que a compra externa realiza-se com condições vantajosas de juros e prazos, além de outras condições de financiamento, mantêm a tendência de baixa do preço.
 

            No amendoim a entrada das primeiras colheitas da safra das águas e as perspectivas de oferta mais consistente levou a queda de preços do produto no campo.
 

            No milho, o recuo dos preços internacionais passou a refletir nos preços internos, numa realidade em que os problemas da safra brasileira e argentina ainda não se refletiram nas médias quadrissemanais.
 

            No período analisado, 10 produtos apresentaram alta de preços (7 de origem vegetal e 3 de origem animal) e 10 apresentaram queda (7 de origem vegetal e 3 de origem animal).
_________________________________________________________________________

1A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 01/12/2011 a 31/12/2011 e base = 01/11/2011 a 30/11/2011.

2 Artigo completo com a metodologia: Pinatti, E.; Sachs, R.C.C.; Angelo, J.A.; Gonçalves, J.S. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v.38, n.9, p.22-34, set.2008. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573

 

Data de Publicação: 04/01/2012

Autor(es): Luis Henrique Perez (lhperez@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Danton Leonel de Camargo Bini (danton.camargo@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Alberto Angelo (jose.angelo@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Sidnei Gonçalves (sydy@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor