Preços agropecuários encerram mês de outubro com alta de 2,62%

O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1 encerrou o mês de outubro de 2007 com alta de 2,62%. Os produtos de origem vegetal (IqPR-V) e animal (IqPR-A) apresentaram alta de 3,78% e de 0,25%, respectivamente (Tabela 1).
Tabela 1 - Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista, Setembro e Outubro de 2007
Índice Acumulado*
São Paulo
São Paulo - sem cana
Set/07
Out/07
Variação 
Set/07
Out/07
Variação 
IqPR
96,03  98,55 
2,62 %
111,73  117,04 
4,75 %
IqPR-V
83,71  86,87 
3,78 %
98,84  107,86 
9,13 %
IqPR-A
124,66  124,97 
0,25 %
-
-
-
* Base 100 = Dezembro de 2006
Fonte: Instituto de Economia Agrícola

            Quando a cana-de-açúcar é excluída do cálculo do índice, a variação do IqPR eleva-se para 4,75% e a do IqPR-V, para 9,13%. Tais variações positivas foram influenciadas principalmente pelas altas nos preços da batata, feijão, tomate para mesa e das laranjas (mesa e indústria) (Tabela 2).

Tabela 2 - Variações das Cotações dos Produtos, Estado de São Paulo, Outubro de 2007

Origem
Produto
Preços (R$)
Variação

(%)

Setembro/07
Outubro/07
VEGETAL
Algodão
38,67
38,93
0,66 
Amendoim
28,44
29,90
5,15 
Arroz
31,77
32,91
3,58 
Banana nanica
11,18
10,27
- 8,15 
Batata
25,18
35,34
40,33 
Café
248,53
246,27
- 0,91 
Cana-de-açúcar 
250,60
246,69
- 1,56 
Feijão
91,16
123,52
35,50 
Laranja p/ Indústria 
9,07
9,73
7,31 
Laranja p/ Mesa 
10,47
11,42
9,08 
Milho
22,58
23,60
4,54 
Soja
34,77
37,37
7,49 
Tomate p/ Mesa
21,11
25,02
18,56 
Trigo
36,25
35,56
- 1,89 
ANIMAL
Carne Bovina
59,31
60,50
2,01 
Carne de Frango
1,69
1,60
- 5,58 
Carne Suína
41,53
46,88
12,88 
Leite B
0,75
0,75
- 0,78 
Leite C
0,70
0,72
3,63 
Ovos
37,68
35,78
- 5,03 
Fonte: Instituto de Economia Agrícola

            Os produtos que apresentaram variação negativa nas cotações no mês de outubro são: banana nanica (8,15%), carne de frango (5,58%), ovos (5,03%), trigo (1,89%), cana-de-açúcar (1,56%) e leite tipo B (0,78%) (Tabela 2).

            Para carne de frango e ovos, o recuo está associado à ligeira retração das vendas no varejo, devido ao alto preço praticado no período anterior; ou seja, ainda ocorre um ajuste nos valores, com reflexo nos preços pagos aos produtores. Para a cana-de-açúcar, a queda da cotação permanece em função da baixa nos preços dos produtos finais (açúcar e álcool).

            As maiores altas nos preços foram verificadas na batata (40,33%), no feijão (35,50%), tomate para mesa (18,56%), carne suína (12,88%), laranja para mesa (9,08%), soja (7,49%) e laranja para indústria (7,31%).

            O aumento nas cotações da batata e do tomate de mesa é resultado da redução na oferta dos produtos, já que ocorreu uma diminuição da área plantada em ambas as culturas. No caso do feijão, a valorização ocorre em virtude da sazonalidade, associada ao atraso do plantio devido à estiagem prolongada. Os preços desse alimento básico dispararam, mas com pouco efeito sobre a renda do produtor. Há muito pouco produto disponível e as primeiras colheitas da safra das águas deverão entrar no mercado nas próximas semanas.

            Para as laranjas (de mesa e indústria), os preços internacionais do suco de laranja acabam sustentando preços internos mais elevados, dado que são mercados que se complementam. A maioria das variedades consumidas, no caso brasileiro, pode ser destinada tanto ao mercado 'in-natura' quanto ao processamento agroindustrial da fruta.

            De um modo geral, o prolongamento do período de seca dos produtos de origem vegetal reflete-se em pressões altistas.

            A carne bovina encerrou o mês de outubro em alta de 2,01%, devido aos aumentos praticados principalmente na segunda quinzena do mês. Com pouca oferta de animais para o abate, a tendência é ficar com o preço atual ainda para as próximas semanas.

            O índice acumulado do IqPR, apesar de negativo em 2007, em outubro chegou a 98,55, que representa perda de 1,45 pontos percentuais em relação ao mês-base (dezembro/2006). Para o IqPR-V (produtos vegetais), o índice acumulado, de 86,87 até outubro, apresenta perdas de 13,13%, em virtude principalmente da queda no preço da cana-de-açúcar desde o período-base (dez/2006), mas vem mostrando sinais de recuperação desde julho. O IqPR-A (produtos de origem animal), após 3 meses de altas consecutivas, apresentou queda no mês passado, mas voltou a subir, embora timidamente no presente mês, fechando com índice acumulado de 124,97. Este valor deve-se principalmente aos aumentos dos preços dos leites e das carnes, estes em função de repasse do custo de produção para o produto, da entressafra e da demanda aquecida (Figura 1).

Figura 1 - Evolução dos índices acumulados quadrissemanais de preços agropecuários, Dezembro de 2006 à Outubro de 2007

            Em resumo, no período analisado, 13 produtos apresentaram alta de preços (10 de origem vegetal e três de origem animal), enquanto sete produtos tiveram quedas (quatro de origem vegetal e três de origem animal).
_______________________________________________________
1 A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 01/10/2007 a 31/10/2007 e base = 01/09/2007 a 30/09/2007.

 

Data de Publicação: 06/11/2007

Autor(es): Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Raquel Castelluci Caruso Sachs (raquelsachs@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Sidnei Gonçalves (sydy@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor