Preços Agropecuários: queda de 0,96% na terceira quadrissemana de outubro

            Na terceira quadrissemana de outubro de 2008, o Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1 registrou queda de 0,96%. Os produtos de origem vegetal (IqPR-V) fechou em alta de 0,03%, enquanto que os produtos de origem animal (IqPR-A) apresentou variação negativa de 3,41% (Tabela 1).

Tabela 1. Variação Percentual do IqPR, Estado de São Paulo, 3ª Quadrissemana de Outubro de 2008.

São Paulo
São Paulo s/cana
IqPR
- 0,96 
- 2,42 
IqPR-V
0,03 
- 1,49 
IqPR-A
- 3,41 
Fonte: Instituto de Economia Agrícola

            Quando a cana-de-açúcar é excluída do cálculo do índice, a variação do IqPR permanece negativa com maior intensidade e fecha em -2,42%, e para o IqPR-V a variação passa ser negativa em -1,49% (Tabela 1).

Tabela 2 - Variações das Cotações dos Produtos, Estado de São Paulo, 3ª Quadrissemana de Outubro de 2008.

Origem
Produto
Cotações (R$)
Variação

(%)

3ª Setembro
3ª Outubro
VEGETAL
Amendoim 33,10  32,94 
-0,49
Arroz 42,79  45,52 
6,37
Banana nanica 9,87  9,37 
-5,01
Batata 17,34  20,68 
19,27
Café 251,86  249,73 
-0,85
Cana-de-açúcar  247,39  250,20 
1,14
Feijão 167,05  187,00 
11,95
Laranja p/ Indústria 9,03  8,70 
-3,69
Laranja p/ Mesa  11,65  11,11 
-4,68
Milho 20,07  19,05 
-5,09
Soja 43,31  43,59 
0,64
Tomate p/ Mesa 21,55  19,14 
-11,18
Trigo 27,18  26,36 
-3,00
ANIMAL
Carne Bovina 88,48  89,38 
1,02
Carne de Frango 1,91  1,66 
-12,75
Carne Suína 63,00  68,54 
8,79
Leite B 0,78  0,77 
-1,62
Leite C 0,76  0,71 
-6,15
Ovos 43,20  38,85 
-10,07
Fonte: Instituto de Economia Agrícola.

            Os produtos do IqPR que registraram altas nesta quadrissemana foram: batata (19,27%), feijão (11,95%), carne suína (8,79%), arroz (6,37%), cana de açúcar (1,14%), carne bovina (1,02%) e soja (0,64%) (Tabela 2).

            Os preços da batata aumentaram recuperando-se de baixa muito acentuada em setembro, quando atingiram valores inferiores a R$16,00 por saca, logo corresponde à volta a patamares mais consistentes com a realidade dos custos de produção.

            Os elevados preços do feijão estimularam fortemente o plantio. Em termos nacionais, a intenção de plantio na safra das águas está estimada entre 1,43 milhão e 1,47 milhão de hectares, o que configura um crescimento de 8,6% e 11,6%, respectivamente, em relação à safra passada, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

            No sudoeste paulista, a maior produtora de feijão no Estado, a área plantada saltou de 25 mil hectares para 40 mil hectares, um aumento de 60%. O feijão plantado em pleno inverno começa a ser colhido e vendido a preços menores que os do feijão irrigado (R$ 187 na 3ª semana de outubro contra R$199,00 na 2ª semana). A tendência consiste em continuidade da queda de preços nas próximas semanas, o que ira se refletir nas próximas quadrissemanas.

            Os produtores de suínos, depois de repassarem para os preços a elevação de seus custos de produção, passaram a ampliar sua margem de lucro, induzindo os consumidores a buscarem outras fontes de proteína (aves e ovos com preços em baixa) e restabelecerem o equilíbrio no mercado. A evolução dos preços de suínos indica que o movimento de alta está se esgotando (a variação na última semana foi de R$ 68,33 para R$ 68,54) possivelmente em função da retração do mercado.

            Os produtos que apresentaram maiores quedas de preços na segunda quadrissemana de outubro foram: carne de frango (12,75%), tomate para mesa (11,18%), ovos (10,07%), leite tipo C (6,15%), milho (5,09%) e banana nanica (5,01%) (Tabela 2).

            Os produtos granjeiros, aves e ovos, além do leite tipo C, continuam com preços com tendência de queda, garantindo fontes de proteínas mais baratas aos consumidores e contribuindo de forma significava para o índice negativo. O milho e a banana também tiveram a mesma redução, o milho por ter pequena queda de preços na última semana e a banana por apresentar inversão de tendência, com aumento nos últimos dias.

Figura 1 - Evolução dos índices quadrissemanais de preços agropecuários, 1ª quadrissemana de abril de 2008 à 3ª quadrissemana de outubro de 2008.

 

Fonte: Instituto de Economia Agrícola.

            A evolução dos índices quadrissemanais indica claramente que o papel deflator dos preços agrícolas persiste, mas de forma decrescente, tendo um menor peso na redução do ritmo inflacionário (Figura 1). Porém para o grupo de origem animal, o IqPR-A mostra que a tendência de queda ainda persiste, diferentemente do grupo de origem vegetal, onde o IqPR-V passou a ter variação positiva seguindo a tendência de crescimento.

            No período analisado, 7 produtos apresentaram alta de preços (5 de origem vegetal e 2 de origem animal) e 12 apresentaram queda (8 de origem vegetal e 4 produtos de origem animal).
__________________________________________________________________________________________________
¹ A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência 24/09/2008 a 23/10/2008 e base =24/08/2008 a 23/09/2008.

² Artigo completo com a metodologia: Pinatti, E.; Sachs, R.C.C.; Angelo, J.A.; Gonçalves, J.S. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v.38, n.9, p.22-34, set.2008. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573>


Data de Publicação: 29/10/2008

Autor(es): Raquel Castelluci Caruso Sachs (raquelsachs@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Sidnei Gonçalves (sydy@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Luis Henrique Perez (lhperez@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor