Preços agropecuários encerram mês de janeiro em alta de 1,27%

            O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1,2 encerrou o mês de janeiro de 2009 em alta de 1,27%. O índice dos produtos de origem vegetal (IqPR-V) fechou com variação positiva de 1,89%, enquanto o índice dos produtos de origem animal (IqPR-A) apresentou queda de 0,27% (Tabela 1). Quando a cana-de-açúcar é excluída do cálculo do índice, o IqPR sobe para 1,97%, e o IqPR-V (cálculo somente dos produtos vegetais) passa para 4,09% (Tabela 1).

Tabela 1 - Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista, Janeiro de 2009 e Acumulado nos Últimos 12 Meses.
Índice Acumulado
São Paulo
São Paulo - sem cana
Variação Janeiro/09
Acumulado nos últimos 12 meses
Variação Janeiro/09
Acumulado nos últimos 12 meses
IqPR
1,27%
5,83%
1,97%
3,83%
IqPR-V
1,89%
4,00%
4,09%
- 2,47%
IqPR-A
- 0,27%
9,75%
Fonte: Instituto de Economia Agrícola

            No acumulado dos últimos 12 meses, os resultados do índice dos produtos agropecuários (IqPR) indicaram valorização de 5,83%, sendo que para os produtos vegetais (IqPR-V) o aumento foi de 4,00%; e para os produtos de origem animal (IqPR-A) 9,75%. Desconsiderando a cana-de-açúcar do cálculo do índice os resultados têm significativas reduções: 2 pontos percentuais para o IqPR e mais de 6 pontos percentuais para IqPR-V (Tabela 1).

Tabela 2 - Variações das Cotações dos Produtos, Estado de São Paulo, Janeiro de 2009.

            Os produtos do IqPR que registraram altas no mês de janeiro, em comparação com o mês anterior foram: feijão (31,16%), batata (28,06%), milho (19,55%), laranja para mesa (4,78%) e soja (4,55%) (Tabela 2).

            A alta nos preços dos grãos reflete a quebra de safras no sul brasileiro (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná), devido à estiagem. No Paraná a maior quebra foi do feijão, que terá produção 38,6% menor que a esperada - o volume caiu de 610,4 mil toneladas para 375 mil. Para o milho, a redução chega a 31,5%, com colheita prevista agora em menos de 6 milhões de toneladas, ante as 8,7 milhões do início do plantio. Na soja, havia a estimativa de produção de 12,8 milhões de toneladas, mas a seca deverá resultar em perdas de 17%, para 10,2 milhões.

            Os produtos que apresentaram as maiores quedas de preços no mês de janeiro foram: tomate para mesa (35,66%), banana nanica (20,51%), carne suína (11,42%) e ovos (3,71%) (Tabela 2).

            Os preços do tomate continuaram em queda, pois ocorreu umajuste de mercado depois da grande alta verificada no mês de dezembro. Para a banana, a variação negativa no período reflete a grande oferta de frutas concorrentes nessa época do ano associada às férias escolares, o que reduz a demanda por essa fruta.

            A queda de preços da carne suína é influenciada pela retração do consumo, em relação ao período de festa do final do ano, comportamento típico nesta época do ano. O encerramento de contratos de exportações sem que se tenham boas perspectivas de renovação, também podem estar contribuindo para redução das cotações. A expectativa é de retração das exportações e de redirecionamento da oferta ao mercado interno.

            Em janeiro, 12 produtos apresentaram alta de preços (9 de origem vegetal e 3 de origem animal) e 7 apresentaram queda (4 de origem vegetal e 3 produtos de origem animal).

            Na comparação dos preços de janeiro de 2009 com janeiro de 2008, ou seja, em 12 meses, dos produtos analisados, 8 tiveram variações positivas do preço pago ao produtor e 11 apresentaram queda. As principais altas ficaram por conta dos produtos básicos no item alimentação, na ordem: arroz (41,45%), tomate (33,69%), carne bovina (14,25%) e carne de frango (9,74%), isto reflete um gasto maior no orçamento familiar, principalmente nas classes de menor renda.

            Já as maiores variações negativas foram verificadas nas cotações do feijão (46,87%), devido a maior oferta do produto e, seguindo as quedas dos preços internacionais laranja para indústria (42,60%), laranja de mesa (36,67%), milho (26,71%) e trigo (19,79%), além do amendoim (42,58%) (Tabela 2). __________________________________________________
¹A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 01/01/2009 a 31/01/2009 e base = 01/12/2008 a 31/12/2008.

²Artigo completo com a metodologia: Pinatti, E.; Sachs, R.C.C.; Angelo, J.A.; Gonçalves, J.S. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v.38, n.9, p.22-34, set.2008. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573

Data de Publicação: 06/02/2009

Autor(es): Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Raquel Castelluci Caruso Sachs (raquelsachs@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Sidnei Gonçalves (sydy@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Luis Henrique Perez (lhperez@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor