Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista: Pequena Alta em Abril de 2015

O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1,2 (que mede a variação dos preços recebidos pelos produtores paulistas) registrou alta de 0,11% no mês de abril de 2015 na comparação com o mês anterior. Na decomposição dos grupos de produtos, IqPR-V (produtos de origem vegetal) e IqPR-A (produtos de origem animal) também encerraram o mês com pequenas variações de 0,09% e 0,17% respectivamente (Tabela 1).   

Na tabela 1 apresenta-se, da mesma forma, os comportamentos das variações nas quatro quadrissemanas de março/15 e do acumulado dos últimos 12 meses. Identifica-se uma desaceleração nas variações de todos os índices nesse intervalo: exemplificando com o IqPR, observa-se uma queda inicial de 1,93% na 1ª quadrissemana do mês para 0,11% em seu fechamento (Tabela 1).     

 


 

 

Quando a cana-de-açúcar (que em abril teve alta de 0,98%) é excluída do cálculo do índice na ponderação dos produtos, o IqPR (geral) inverte sua orientação e fecha o mês de abril/15 com queda de 0,83%. No caso do IqPR-V (vegetal), a variação sem a cultura canavieira apresentou uma redução um pouco maior, encerrando o mês negativamente em 1,80% (Tabela 1).

Os produtos do IqPR que apresentaram as maiores altas nas cotações do mês de abril/15 em relação a março/15 foram, pela ordem: tomate para mesa (40,91%), trigo (17,07%) e algodão (14,07%) (Tabela 2).  

 

 Entre os meses de março e maio ocorre menor oferta do tomate de mesa e consequentemente a elevação de seus preços. Aliada às condições climáticas adversas, com pluviosidade acima da média em algumas regiões produtoras, justifica-se a alta vigente no momento atual.  

         A variação positiva do preço do trigo no mês de abril de 2015 está fortemente relacionada à interferência do mercado internacional na oferta do produto: sendo assim, a valorização do dólar tem inflacionado sobremaneira o preço do trigo em moeda nacional (R$). Contudo, salienta-se que essa variação não recupera o numerário vigente no mesmo período de 2014, num acúmulo de baixa que atingiu -21,36%. No que se refere à produção paulista, a possibilidade de aumento da área de plantio do trigo no Vale do Paranapanema via reflexo da melhoria nos seus preços é ainda limitada pela área já ocupada pelo milho safrinha em substituição à soja (diferente da região sul do país, onde os produtores poderão optar pelo plantio do trigo estimulados pela recuperação dos valores do produto).

 

 

 

Já os produtos que apresentaram quedas mais significativas de preços no mês de abril/15 foram a batata (41,20%), a laranja para indústria (14,11%), a carne suína (9,82%) e os ovos (6,64%).

 

O reajuste da oferta da batata no final da safra do Centro Sul brasileiro, adicionado à diminuição da demanda do produto após a Semana Santa são os elementos mais significativos para a queda nas cotações do tubérculo em abril. 

A expansão da safra que eleva a oferta de laranja e dos níveis de estoque de suco influenciaram o recuo do preço recebido pela caixa da fruta no último mês, num patamar bem abaixo do custo de produção paulista. 

Com oferta excessiva no mercado internacional, a carne suína foi a fonte de proteína animal que mais se desvalorizou no mês de abril.   

No caso dos ovos, uma grande oferta do produto aliada à uma redução de sua demanda no período pós-quaresma tem diminuído o valor recebido pelos granjeiros paulistas.                                                                                                                              

Em resumo, no mês de abril, 11 produtos apresentaram alta de preços (9 de origem vegetal e 2 de origem animal) e 8 apresentaram queda (5 vegetais e 3 de origem animal).

 

Acumulado dos últimos 12 meses

 

            No acumulado dos últimos 12 meses (abril/14 a abril/15), o IqPR registrou variação positiva de 4,15% puxado principalmente pelo reajuste da carne bovina, que ao apresentar valorização de 21,30% e atingir o pico de seu preço histórico em R$ 150,00 a arroba, contribuiu fortemente para a elevação do IqPR-A (animal) em 5,76%. Nesse mesmo intervalo, o IqPR-V (vegetal) apresentou um aumento de 3,46%.

            Retirado o produto cana-de-açúcar (cujo valor do ATR teve variação positiva de 4,18% na comparação com abril de 2014), os índices acumulados tiveram valorizações menores: IqPR e IqPR-V (vegetais) oscilaram respectivamente 3,67% e 0,51% para cima (Tabela 1).

            Na figura 1 se observa o comportamento das variações dos índices. O IqPR (linha azul) parte de uma variação positiva em maio de 2014 influenciado pela variação mensal do ATR da cana. Nos meses de junho e julho se inverte o direcionamento através das oscilações negativas ocorridas na maioria dos produtos de origem animal e vegetal. A partir de agosto se visualiza nova reversão e todos os índices apresentaram encaminhamentos inflacionários até abril de 2015 - com exceção do IqPR-A, que influenciado pelas baixas cotações das carnes suína, de frango e do leite, recuou em dezembro/14 e janeiro/15 (Tabela 1).

Na comparação de abril/2015 com abril/2014, 6 produtos apresentaram variações positivas, enquanto 13 tiveram variações negativas. Os produtos que tiveram preços com incrementos em patamares mais elevados que a inflação acumulada nos últimos 12 meses, medidos pelo IPCA-IBGE (8,17% em abril/15), foram o tomate para mesa (36,91%), a carne bovina (21,30%) e o feijão (17,26%). Já os valores do café (4,73%), do ATR da cana-de-açúcar (4,18%) e do amendoim (0,98%) tiveram variações positivas, porém abaixo da inflação acumulada (Tabela 2).

Os produtos que apresentaram reduções de preços nos últimos 12 meses foram a batata (38,82%), a banana nanica (31,33%), o trigo (21,36%), os ovos (16,77%), a laranja para mesa (16,01%), a laranja para indústria (14,72%), o leite cru resfriado (13,42%), a carne suína (12,25%), o milho (9,38%), a carne de frango (3,76%), a soja (3,58%), o algodão (3,27%) e o arroz (2,78%) (Tabela 2).

______________________________________                               

¹A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 01/04/2015 a 30/04/2015 e base = 01/03/2015 a 31/03/2015.

²Artigo completo com a metodologia: Pinatti, E.; Sachs, R.C.C.; Angelo, J.A.; Gonçalves, J.S. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v.38, n.9, p.22-34, set.2008. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573.

Data de Publicação: 08/05/2015

Autor(es): Danton Leonel de Camargo Bini (danton@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Humberto Sampaio de Araújo Consulte outros textos deste autor
Maximiliano Miura (miuramax@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Tito Bergamasco (edr.assis@cati.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor