Com alta de 0,73% em Dezembro, os Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista Fecha 2022 com Acumulado Positivo de 6,63%


O Índice de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1, 2 fechou dezembro de 2022 com alta de 0,73% (Tabela 1). Separados por grupos de produtos, enquanto o índice de origem vegetal (IqPR-V) atingiu reajuste de 1,07%, o índice de origem animal (IqPR-A) finalizou o último mês do ano com queda de -0,16% (Tabela 1).


 

Com a ausência da cana de açúcar (+1,54%), que é o principal produto na formação dos índices, IqPR e IqPR-V sem cana apresentam altas menores, respectivamente de 0,13% e 0,39% (Tabela 1).

Dentre os principais reajustes observados no mês de dezembro de 2022, destacaram-se o feijão (+16,59%) e o arroz (+10,27%). Para o feijão, a diminuição da área direcionada ao produto (que foi em parte substituída para o cultivo de soja e milho) e adversidades climáticas reduziram a oferta do produto no último mês de 2022, ocasionando a elevação do valor negociado pela saca de 60 Kg para quase R$400,00. Para o arroz, a menor oferta ocasionada pela falta de chuvas e pela redução da produtividade no Rio Grande do Sul (principal estado produtor) colocou o produto negociado em dezembro numa margem 10,27% mais caro que o praticado em novembro de 2022 (Tabela 2).

Dentre as principais quedas observadas no mês de dezembro de 2022, destaca-se a variação negativa de 28,07% dos preços da banana-nanica. Frente a uma oferta excessiva em relação às outras variedades (principalmente a prata) e uma menor demanda (pelo começo das férias escolares e pela maior diversidade de opções de frutas consumidas nas festas de fim de ano), os preços médios negociados atingiram R$2,04 (Tabela 2).

 

ÍNDICES ACUMULADOS NOS ÚLTIMOS 12 MESES

No acumulado de dezembro de 2021 a dezembro de 2022, todos os índices apresentaram reajustes positivos (Figura 1). De janeiro a março, visualiza-se uma aceleração incentivada pelas altas verificadas principalmente nas culturas de arroz, feijão, cana-     -de-açúcar, carne de frango e ovos. As incertezas geradas pelo início da guerra entre Rússia e Ucrânia colocaram o mercado de commodities em compasso de espera. O mês de abril se apresenta como um divisor de águas no equilíbrio da oferta e demanda no campo paulista. Depois de 14 meses de reajustes sucessivos nos indicadores, as quedas nos preços de milho e soja (com os bons resultados da safra brasileira de grãos) apontaram para uma estabilidade nos custos de produção das principais proteínas (em especial, aves e suínos). De maio a julho, destacam-se as altas do indicador de preços dos produtos animais (IqPR-A): nesse intervalo, figuram em destaque os reajustes no leite, que variam de R$2,08 para R$2,78, ascensão de 33,65% em seu período de entressafra (quando os custos de produção são aumentados pela necessidade de suplementação alimentar do rebanho). Entre agosto e dezembro, as oscilações nos preços dos produtos de origem vegetal ocorreram numa projeção orientada à estabilidade (em agosto a estiagem interferiu nas altas das laranjas; em setembro, a retirada do ICMS do etanol favoreceu a queda nos preços da cana-de-açúcar; em outubro, novamente as laranjas em baixa produtividade contribuíram para a elevação do índice; e em novembro, as especulações no mercado financeiro derrubaram os preços do café, o que interferiu na queda do indicador). Já os produtos de origem animal, em contraposição às elevações verificadas no primeiro semestre de 2022, inverteram a curva do indicador com as quedas sucessivas, principalmente do leite e da carne bovina (Figura 1).

Nesse intervalo de 12 meses, 13 produtos do levantamento tiveram reajustes positivos e 4 apresentaram quedas. Além disso, o IqPR variou positivamente em 8 dos 12 meses analisados (Figura 2), num acúmulo de reajuste de +6,63% (Figura 1). No que se refere ao indicador de produtos de origem vegetal (IqPR-V), as altas acumuladas de feijão (+77,85%), batata (+76,88%), arroz (+44,45%) e tomate (29,82%) contribuíram para sua alta em 7,53% (Figura 2). Nota-se que esses quatro produtos são muito importantes na dieta popular brasileira, o que indica um peso maior para o processo inflacionário vigorante nos últimos anos.

Nesse intervalo de 12 meses, a alta do IqPR-A foi de 4,06% (Tabela 1). Destaca-se a variação negativa acumulada do preço da carne bovina em -10,67%, contrabalançando o indicador frente aos reajustes dos preços dos ovos (+29,52%) e do leite cru refrigerado (+23,41%) (Tabela 2).

 

1A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 01/11/2022 a 30/11/2022 e base = 01/10/2022 a 31/10/2022.

 

2Artigo completo com a metodologia: PINATTI, E. et al. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v. 38, n. 9, p. 22-34, set. 2008. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573. Acesso em: jan. 2023.

 

Palavras-chave: IqPR, índice, preços recebidos, índices agrícolas, variações, indicadores.


 

 

 

 

COMO CITAR ESTE ARTIGO

BINI, D. L. C. et al. Com alta de 0,73% em Dezembro, os Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista Fecha 2022 com Acumulado Positivo de 6,63%. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 1-6, jan. 2023. Disponível em: colocar o link do artigo. Acesso em: dd mmm. aaaa.

Data de Publicação: 20/01/2023

Autor(es): Danton Leonel de Camargo Bini (danton.camargo@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Antônio Lopes Júnior (antonio.lopes@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Augusto Maiorano (jose.maiorano@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Paulo José Coelho (pjcoelho@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Thiago Brena Consulte outros textos deste autor
Leonardo Massao Nakama Consulte outros textos deste autor

 

 

 


Governo do Estado de SP