Estatísticas Agrícolas do Instituto de Economia Agrícola – um patrimônio da pesquisa paulista


 

1 - INTRODUÇÃO

O Instituto de Economia Agrícola (IEA) é um órgão que compõe o grupo de institutos de pesquisa da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAA/SP)1. O IEA foi fundado em 1942 e desde então presta serviços de alta qualidade em estudos econômicos e na geração de informações estatísticas sobre o agronegócio paulista.

O objetivo deste trabalho é apresentar as informações que compõem o Banco de Dados (BD) do IEA2, possivelmente, o mais completo e longevo grupo de estatísticas agrícolas do estado de São Paulo. Ressalta-se que não é objetivo deste artigo abordar metodologicamente as estatísticas e nem discutir ou analisar os resultados, mas sim, apresentar o portfólio de produtos disponíveis aos mais diferentes agentes do setor agropecuário

A abrangência deste estudo refere-se às informações do banco de dados em formato digital. Há na instituição uma série de estatísticas que estão publicadas em meios físicos e ainda não foram formatados para o modelo digital. Boa parte delas está disponível no acervo da biblioteca da instituição nos periódicos científicos e outros veículos impressos divulgados desde a fundação da instituição.

 

2 – BANCO DE DADOS

Antes de se abordarem as estatísticas gerais de produção agropecuária, preços e socioeconômicas, vamos exemplificar o potencial do banco de dados com uma das mais antigas séries de informações mensais sistemáticas da Instituição. O produto café beneficiado de secagem natural possui informações de preços médios mensais recebidos pelo produtores3 desde julho de 1948 até este ano (setembro). Nesse período, foram divulgadas 891 informações, uma por mês, ao longo dos 74 anos de pesquisa. Segundo o trabalho A História Completa do Café No Brasil4, em 1948, quando se iniciou essa série estatística, o fato econômico de grande relevância eram as ações condicionantes de política econômica internacional do recém-criado Fundo Monetário Internacional (FMI) no pós-guerra. O café, como produto de grande expressão no mercado externo, era um dos protagonistas das discussões. Já nessa época, o IEA, por meio das informações geradas, auxiliava os agentes de comércio e estudiosos a entender o mercado de café.

Em relação ao conteúdo do banco de dados do IEA, é imprescindível entender que um dado estatístico não é uma informação qualquer; ela é respaldada em critérios definidos e validados por especialistas, no caso, os pesquisadores científicos. Segundo estudiosos como Senra5, Pino6 e Jannuzzi7, os pilares que sustentam uma informação estatística são: utilidade, coerência, validade, visibilidade, homogeneidade, autonomia, democratização, disponibilidade, periodicidade, sistematização e integridade. Os quesitos citados por esses autores sempre foram e continuam a ser a base para a criação de estatísticas pelos pesquisadores do IEA.

O quadro 1 mostra a distribuição atual das estatísticas da instituição. Observa-se que as informações contemplam, dentro do sistema produtivo e de mercado, as etapas de pré-produção, produção e ou criação e de comercialização, além de fatores de produção.

 


 

No estudo, vamos separar o banco de dados em três grandes grupos: estatísticas de preços de mercado, estatísticas de produção e estatísticas socioeconômicas e outras.

 

2.1 - Estatísticas de Preços de Mercado

Neste grupo de informações, o IEA disponibiliza os seguintes produtos:

 

2.1.1 - Preços Diários8

Composta por informações sobre o mercado atacadista, recebidos pelos produtores e internacional (inclui cotações do câmbio). Em relação ao levantamento no segmento atacadista, o IEA acompanha, atualmente, 18 produtos de origem animal e vegetal. Ao se incluírem os tipos, variedades e diferentes unidades de comercialização, o rol de produtos sobe para 60 itens. Em relação aos preços recebidos pelos produtores, são sistematicamente coletados e divulgados preços de 57 produtos de origem animal e vegetal nas regiões geográficas de maior relevância de cada um dos itens. Os preços internacionais são coletados na origem de formação de preços. O banco de dados do IEA mantém informações diárias desde o ano 2000 e, assim, se considerarmos uma média de 230 dias de coleta por ano, o total de boletins informativos desses três produtos diários (atacado, produtor e internacional) é de aproximadamente 5.000 dias. Multiplicando-se pelo número de produtos disponibilizados e as estatísticas que compõem esses levantamentos, o acervo digital do IEA com informações já se constitui num big data para fins científicos, dentre outros usos.

A coleta de preços nos mercados atacadista e produtor é realizada de forma intencional com os principais atores nesses dois níveis de comercialização. O processamento dos dados coletados diariamente é realizado por sistemas desenvolvidos por técnicos da área da tecnologia da informação da própria instituição. As informações são divulgadas diariamente, de forma individual, ou em boletim que une os três produtos (atacado, produtor e internacional). A figura 1 ilustra a visualização dos produtos no site da instituição.

 

Na figura 1, a letra “A” indica a data de publicação do boletim. No campo menu, indicado pela letra “B”, as informações podem ser acessadas por produto ou por boletim, e em “C” estão as variáveis de cada informação apresentadas no formato de tabela ao usuário final.

2.1.2 - Preços Médios Mensais no Atacado9

Essa estatística é divulgada pelo banco de dados do IEA há 56 anos. Atualmente, estão disponíveis informações de 60 itens. Essa série é calculada por meio da média simples das coletas diárias ajustadas exponencialmente10. A tabela 1 traz um histórico sobre o início e final das séries ao longo dos anos e as informações que estão atualmente ativas.

 

Nessa tabela, a cor verde indica os produtos que estão ativos no levantamento, ou seja, são sistematicamente coletados, processados e divulgados, em vermelho estão os produtos que, atualmente, não fazem parte do levantamento, estes itens foram descontinuados em virtude de questões mercadológicas, essa revisão é constantemente realizada pela equipe técnica responsável a fim de entregar informações úteis aos usuários finais.

 

2.1.3 - Preços Médios Mensais no Varejo11

Essa estatística foi iniciada em maio de 1970. Atualmente, o banco de dados do IEA divulga informações nesse segmento de comercialização para 107 itens. Essa composição tem por base a Pesquisa de Orçamentos Familiares da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (POF/FIPE) realizada em 2011/1312. Esse levantamento é realizado por amostragem estratificada probabilística no município de São Paulo, e considera as características socioeconômicas dos 96 distritos municipais para composição dos estratos. Para geração das informações, são coletados ao longo do mês aproximadamente 18 mil preços nos principais locais de aquisição de produtos alimentícios (açougues, feiras-livres, padarias, sacolões/varejões e supermercados). A figura 2 mostra a distribuição da amostra dos 370 locais de aquisição de alimentos no município de São Paulo.

 

2.1.4 - Preços Médios Mensais Recebidos13

Essa estatística é a mais antiga série de informações no banco de dados do IEA. Ela foi iniciada em março de 1948, com o preço médio do algodão em caroço. Essa série de informações tem por objetivo estabelecer o valor médio estadual de “porteira”, praticado pelos produtores paulistas para o primeiro agente de comercialização ou processamento. Metodologicamente, os preços mensais são coletados em todos os municípios paulistas e ponderados pela participação na produção estadual. A figura 3 mostra a evolução da quantidade de produtos acompanhados por essa estatística. Em setembro de 1948, eram nove itens: algodão em caroço, amendoim em casca, arroz em casca, batata, café beneficiado de secagem natural, café em coco, feijão, mamona e milho. Destes, apenas o produto mamona deixou de ser coletado. Atualmente, o IEA divulga informações de 61 produtos.

 

2.1.5 - Preços Médios Mensais Pagos14

Essa estatística objetiva acompanhar os principais insumos adquiridos pelos produtores para condução de seus plantios ou criações. Atualmente, são pesquisados mensalmente 170 itens, distribuídos em 12 grupos (alimentos para animais; alimentos industriais para animais; animais; combustível e lubrificantes; defensivos; embalagens; fertilizantes e corretivos; máquinas, veículos e implementos; materiais de construção e reparo; peças de reposição; sementes; e vacinas e medicamentos). O banco de dados do IEA mantém informações desde janeiro de 1963; no início, o levantamento de preços pagos acompanhava a variação de preços de apenas três produtos: cloreto de potássio, nitro cálcio e superfosfato simples, todos do grupo fertilizantes e corretivos. A tabela 2 apresenta a distribuição dos 170 produtos acompanhados por grupos e subgrupos. Observa-se que em determinados grupos não há divisão em subgrupos. Esse levantamento é base para cálculos de produção para o produtor rural, permitindo relações como formação de preço, lucro, viabilidade econômica e outros. 

 

 

 

2.1.6 - Preços de Terras Agrícolas15

Essa estatística acompanha a variação de preços de terra nua e de imóveis rurais com benfeitorias. O levantamento é realizado em seis classes de aptidão: lavoura aptidão boa; lavoura aptidão regular; lavoura aptidão restrita; pastagem plantada; silvicultura ou pastagem natural; e preservação da fauna e da flora. A divulgação é anual, por agregação municipal, regional e estadual, e a metodologia segue o modelo subjetivo com amostra intencional de aproximadamente 1.800 coletados em todos os 645 municípios paulistas. No banco de dados do IEA há informações de preços de terras agrícolas desde 1995. A estatística de imóveis rurais é utilizada para pagamento do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR) e Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), servindo também de referencial para a Secretaria de Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo (SEFAZ) calcular o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD). Em relação a essa estatística, há um produto vinculado com as informações do banco de dados chamado Calculadora do Valor Venal da Terra Rural16 (Figura 4). Esse sistema é capaz de individualizar o cálculo, pois permite ao usuário indicar a extensão em hectares de cada área de classe de aptidão pertencente a sua propriedade.

 

2.2 - Estatísticas de Produção

Neste grupo de informações, o IEA disponibiliza os seguintes produtos:

·      Estatísticas de Produção de Origem Vegetal; e

·      Estatísticas de Produção e Criação de Origem Animal.

As estatísticas sobre a produção paulista17 são calculadas pelo IEA desde o final dos anos 1940, embora o banco de dados da instituição ofereça informações apenas a partir de 1983. No entanto, as estatísticas dos anos anteriores já estão sendo organizadas para compor o banco de dados. Atualmente, são acompanhadas as estatísticas de área e produção de 88 explorações agrícolas e pecuárias e, destes, 12 são do levantamento de origem animal. O levantamento é censitário (cada município é uma unidade amostral) e o modelo de coleta de dados é subjetivo, fundamentado no conhecimento do técnico da Casa de Agricultura do município. Os resultados são divulgados anualmente, com abrangência regional e estadual, e as variáveis pesquisadas referem-se a extensão da produção e ou criação e ao volume produzido.

Para acompanhamento dessa estatística, são realizados cinco levantamentos de campo, nos meses de fevereiro, abril, junho, setembro e novembro. Com base nas caraterísticas produtivas de cada produto, em cada levantamento obtêm-se informações do estágio do cultivo. A tabela 3 traz a lista de final de safra de cada item em cada mês de levantamento. Em relação aos produtos de origem animal, atualmente, a coleta é única, realizada no mês de novembro. Nos levantamentos realizados em junho e em novembro, concentra-se o final de safra da maioria dos produtos vegetais.

 

.

Convém ressaltar que esse levantamento conta com o trabalho de todos os pesquisadores científicos do Centro de Pesquisa de Informações Estratégicas dos Agronegócios. Atualmente, são dez pesquisadores envolvidos, mais o apoio de três técnicos de apoio. Além da dedicação desse grupo técnico, amplia-se a rede de coleta de informações que se une à extensão rural da CATI.

Convém citar que até 2019, o processo de coleta de dados era realizado por meio de questionários em papel, com distribuição realizada por correio ou veículos oficiais, e o preenchimento escrito e a digitação de cada dado. Atualmente, toda essa sistemática para estatísticas de produção é informatizada, completando assim a automatização dos processos e sistemas das estatísticas da Instituição. Tais ações converteram-se em economia de recursos humanos, custeio e tempo, otimizando assim o processo dos levantamentos. A atualização técnica trouxe mais precisão e as estatísticas são divulgadas em tempo menor aos usuários finais.

 

2.3 - Estatísticas Socioeconômicas e outras

Neste grupo de informações, o IEA disponibiliza os seguintes produtos:

 

2.3.1 - Salários Rurais18

Essa estatística objetiva acompanhar a remuneração recebida pelas seguintes categorias de trabalho rural: diarista a seco, volante (boia-fria ou safrista), administrador, tratorista, mensalista e capataz. A primeira série de dados de salários rurais foi realizada por Sendin19, e possui informações de 1948 até 1968. No último ano deste período, inicia-se o levantamento sistemático de salários rurais pela regionalização Divisão Regional Agrícola e Estadual (DIRA) cuja publicação ocorreu, de forma ininterrupta, a partir de 196920.

A partir de 1996, a estatística dessa regionalização foi descontinuada e passou a ser divulgada por Escritório de Desenvolvimento Rural (EDR) e Região Administrativa (RA). Os resultados estaduais foram incorporados ao banco de dados a partir de 1970. Em 1971, teve origem a série sobre empreita–pagamento e rendimento de colheita nas culturas de algodão, amendoim, cana-de-açúcar e café. As séries das culturas de laranja, limão e tangerina iniciam-se em 1986.

Com a mecanização na colheita das culturas anuais e semiperenes, finalizam-se em 2006 as informações dos salários rurais da cultura do algodão e, em 2013, do amendoim. Em 2022, encerra-se a série de dados da cultura de cana-de-açúcar21.

São disponibilizadas anualmente (abril e novembro) informações sobre número de informantes (municípios), valores mínimo e máximo e de tendência central (média, mediana e moda) dos salários rurais de cada categoria em cada uma das regiões e Estado.

2.3-2 - Pagamento de Colheita

Em relação a categoria volante (boia-fria ou safrista), também são divulgadas no banco de dados outras duas estatísticas. A primeira refere-se ao pagamento de colheita, os resultados dessa estatística referem-se ao valor pago ao trabalhador por unidade de medida especificada para as culturas café cereja e em coco, cana-de-açúcar e para os citros laranja, limão e tangerina. Os dados para geração das informações são colhidos no mês de junho e agregados por regional e estado.

 

2.3.3 - Quantidade Colhida

A segunda estatística refere-se à quantidade colhida por trabalhador no dia, disponibilizada desde 1996.

Quando se avalia o mercado de trabalho rural, as informações de salário rurais são necessárias, tanto ao empregador quanto ao trabalhador. A informação é útil para as negociações entre sindicatos e empresas rurais e para as avaliações das instituições governamentais ou particulares sobre a situação econômica dos trabalhadores. É indispensável também na construção e análise de custos de produção e na confecção e avaliação de índices de preços pagos pelos agricultores, dentre outros.

 

2.3.4 - Aluguel de Pasto22

Essa estatística tem como objetivo acompanhar a evolução dos preços pagos por cabeça/hectare por ano da pastagem utilizada para a criação de bovino no estado. As informações iniciaram-se em 1995 e estão disponíveis por EDR, RA e para o estado de São Paulo. De 1995 a 2018, as informações eram levantadas duas vezes ao ano, nos meses de junho e novembro e, a partir de 2019, o levantamento passou a ser realizado uma vez ao ano, no mês de novembro. Estão disponíveis as estimativas de menor e maior valor e as medidas de tendência central, média, moda e mediana.

 

2.3.5 - Arrendamento em Dinheiro23

Os custos do arrendamento de terras estão disponíveis para as seguintes culturas: algodão, amendoim, arroz, cana-de-açúcar, milho, tomate envarado e soja. As informações disponíveis iniciam-se em 1995, em reais/hectare por ano, para os EDRs, RAs e estado, uma vez ao ano no mês de novembro.

 

2.3.6 - Relação de Troca Produtos/Insumos24

Essa estatística mensura o poder de compra dos produtores na relação de quantidade de produto agropecuário para se adquirir determinado insumo que é importante na produção ou criação. Os dados estão disponíveis desde 1990, e as informações utilizadas para o cálculo deste indicador são as séries de preços médios mensais recebidos e pagos pelos produtores paulistas. Na figura 5 observa-se o exemplo de um comparativo entre 1990 e 2022 de algumas relações de troca e, em todos os casos, o produtor precisa de mais unidades comercializadas para aquisição de insumo.

 

 

2.3.7 - Índices de Preços Agropecuários25

Esses índices são calculados com base nas estatísticas mensais de preços de mercado (produtor, pagos e varejo). Em linhas gerais, estes indicadores refletem a variação de preços dos produtos ponderados por sua participação em um agregado de itens. Nos indicadores ao produtor, a ponderação é feita na participação produtiva do município; nos pagos, a ponderação é por grupo de produtos; e no varejo, a ponderação é realizada na participação de cada item no dispêndio familiar. A tabela 5 traz um resumo do conteúdo de indicadores calculados pelo IEA, e os resultados são divulgados em variação acumulada.

 

 

2.3.8 - Preço Referência de Importação de Borracha Natural (TSR20)26

Estatística “caçula” do banco de dados do IEA, teve sua série iniciada em 2020, com divulgação mensal de preço e de índice acumulado. Para composição do indicador de preço são consideradas 17 variáveis.

 

2.4 – Outros Estudos que Utilizam o Banco de Dados

Além das estatísticas de séries contínuas, o IEA disponibiliza estudos com suas próprias bases de informações. O valor da produção agropecuária (VPA)27 é uma estatística que relaciona as estatísticas de preços recebidos e de produção. Já a quadrissemana28 acompanha e analisa a variação de preços ao produtor.

 

3 – CONSIDERAÇÕES FINAIS

Até o momento, mostrou-se aqui o conteúdo informacional do banco de dados do IEA até (novembro de 2022), mas é preciso olhar para frente. Em termos metodológicos, toda e qualquer estatística passa por revisões e atualizações constantes, a fim de sempre oferecer ao usuário final um produto que possa atender suas expectativas. A inclusão de novos produtos de relevância na agropecuária, como pescados e orgânicos, estão em análise pela equipe técnica e podem vir a compor as estatísticas no futuro. Em relação a visualização dos dados, estuda-se a ampliação de acesso dinâmico às informações. Atualmente, as estatísticas de preços médios mensais no varejo e da produção já utilizam ferramentas dinamizadas.

Além disso, por trás de todas essas informações, há apoio das tecnologias de informação seja por meio dos profissionais de TI, seja pelas novas aplicações disponibilizadas constantemente. Crítica: frente a cumprir sua missão, suas metas, o IEA convive diariamente com aportes cada vez mais reduzidos para manter suas rotinas operacionais. Dessa forma, a própria TI (lado afetado) se incumbe de otimizar, dinamizar e facilitar o trabalho destinado à pesquisa.

É importante ressaltar que, além da equipe de apoio técnico29, o IEA possui parceiros imprescindíveis para a geração das estatísticas. Os pesquisadores responsáveis por cada estatística agradecem à CATI, a Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), cooperativas, sindicatos rurais, empresas do agronegócio, comércios varejistas, distribuidoras, atacadistas e, principalmente, os produtores rurais, por se disporem a colaborar com os levantamentos.

Por fim, neste ano de 2022, o IEA completou 80 anos de serviços à sociedade. Ao longo dessas oito décadas, o IEA tem estabelecido parcerias com outros agentes do setor produtivo agropecuário, entre órgãos públicos e privados e tais parcerias solidificam um sistema estatístico estadual para o agronegócio paulista. Este artigo objetivou ressaltar o acervo estatístico digital da instituição, um patrimônio da pesquisa paulista.

  

1HIRASHIMA, F.K., et al. Rede Sociais e a Transferência de Conhecimento: o caso do Instituto de Economia Agrícola, São Paulo. I Congresso Brasileiro de Ciência e Saberes Multidisciplinares Volta Redonda – RJ, 27 a 29 de outubro de 2022. Disponível em: https://conferencias.unifoa.edu.br/tc/article/view/8https://conferencias.unifoa.edu.br/tc/article/view/8. Acesso em: nov. 2022.

                    

2INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA. Banco de Dados do Instituto de Economia Agrícola, Disponível em: http://www.iea.agricultura.sp.gov.br/out/Bancodedados.php. Acesso em: nov. 2022.

 

3_____. Preços médios diários recebidos pelos produtores.  Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/precos_medios.aspx?cod_sis=2. Acesso em: nov. 2022.

 

4REVISTA CAFEICULTURA. História do Café no Brasil. Rio Paranaíba, 15 jul. 2011. Disponível em: https://revistacafeicultura.com.br/index.php?tipo=ler&mat=40384. Acesso em: out. 2022.

 

5SENRA N.C. Regime e política de informação estatística. Revista São Paulo em Perspectiva v.16/ nº.3/ jul.- set. 2002. Fundação Seade São Paulo. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v16n03/v16n03_10.pdf. Acesso em: out. 2022.

 

6PINO, F. A. Estatísticas agrícolas para o século XXI. Agricultura em São Paulo, v. 46, n. 2, p. 71-105, 1999. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=431. Acesso em: out. 2022.

 

7JANNUZZI, P. M. "As novas e velhas demandas por informação estatística." Revista São Paulo em Perspectiva. comunicação & informação. v. 12, n. 4, out./dez. 1998. http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v12n04/v12n04_15.pdf. Acesso em: out. 2022.

 

8INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA.Preços médios diários . Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/BancoDeDados/PrecosDiarios/Boletim. Acesso em: nov. 2022.

 

9_____. Preços Médios Mensais no Mercado Atacadista. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/Precos_Medios.aspx?cod_sis=3. Acesso em: nov. 2022.

10O ajuste exponencial é uma técnica de suavização de séries temporais que permite obter com maior precisão sua tendência.

 

11INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA. Preços Médios Mensais no Varejista. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/precos_medios.aspx?cod_sis=4. Acesso em: nov. 2022.

 

12FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS. Pesquisa de Orçamentos Familiares – 2011/2013. Disponível em: https://www.fipe.org.br/pt-br/indices/pof/. Acesso em: out.2022.

 

13Op. cit. nota 3.

 

14INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA. Preços Médios Mensais Pagos. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/bancoiea_Teste/pagos2.aspx?cod_sis=5. Acesso em: nov. 2022.

 

15_____. Preços de Terras Agrícolas. Disponível em: http://www.iea.agricultura.sp.gov.br/out/precosdeterraagricolas.php. Acesso em: nov. 2022.

 

16_____. Calculadora do Valor Venal da Terra Rural. Disponível em: http://ciagri.iea.agricultura.sp.gov.br/calculadora. Acesso em: nov. 2022.

 

17_____. Estatísticas da produção Paulista. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/subjetiva.aspx?cod_sis=1&idioma=1. Acesso em: nov. 2022.

 

18_____. Salários Rurais. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/precorSalarios.aspx?cod_tipo=6&cod_sis=13. Acesso em: nov. 2022.

 

19SENDIN, Paulo V. Elaboração de um índice de salários rurais para o Estado de São Paulo. Agricultura em São Paulo, SP, 19(2): 167-190, 1972.

 

20NOGUEIRA, E. A. et al. Estatísticas de salários agrícolas no Estado de São Paulo. Anuário Estatístico, São Paulo, 1992. 100 p. (série IEA, 01/92).

 

21FREDO, C. E.; BAPTISTELLA, C. da S. L.; CASER, D. V. Encerramento da Série Histórica de Empreita na Cana-de-açúcar (1971-2022): reflexos da colheita mecanizada. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 17, n. 9, p. 1-9, set. 2022. Disponível em: http://www.iea.agricultura.sp.gov.br/ftpiea/AIA/AIA-51-2022.pdf. Acesso em: nov. 2022.

 

22INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA. Aluguel de Pasto. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/precor.aspx?cod_tipo=3&cod_sis=10. Acesso em: nov. 2022.

 

23_____. Arrendamento em Dinheiro. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/precor.aspx?cod_tipo=5&cod_sis=12. Acesso em: nov. 2022.

 

24_____. Relação de Troca Produtos/Insumos. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/RelaTrocaProduto.aspx?cod_sis=22. Acesso em: nov. 2022.

 

25_____. Índices de Preços do Estado de São Paulo. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/Indices.aspx?cod_sis=7. Acesso em: nov. 2022.

 

26_____. Preço Referência de Importação da Borracha Natural (TSR 20). Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/bancodedados/borracha. Acesso em: nov. 2022.

 

27_____. Valor da Produção Agropecuária. Disponível em: http://ciagri.iea.sp.gov.br/bancodedados/valorproducao. Acesso em: nov. 2022.

 

28PINATTI, E. et al. Base de estudos da Quadrissemana. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/quadrissemana2.php?codTipo=1. Acesso em: nov. 2022.

 

29Atualmente, os seguintes técnicos de apoio fazem parte do Centro de Informações Estatísticas dos Agronegócios do Instituto de Economia Agrícola: Andreia Brazão, Cristina Almeida Paes, Edson Pereira Penha, Magali Aparecida Schafer de Lucca, Leonardo Nakama, Talita Tavares Ferreira, Valdecir Garcia Luchiari e Valéria Aparecida Assoni.

 

Palavras-chave: estatísticas agrícolas, Instituto de Economia Agrícola, estado de São Paulo.

 

 

 

 

COMO CITAR ESTE ARTIGO

MARTINS, V. A. Estatísticas Agrícolas do Instituto de Economia Agrícola – um patrimônio da pesquisa paulista. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 17, n. 12, p. 1-17, dez. 2022. Disponível em: colocar o link do artigo. Acesso em: dd mmm. aaaa.

Data de Publicação: 03/01/2023

Autor(es): Vagner Azarias Martins (vagnermartins@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Carlos Eduardo Fredo (cfredo@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Carlos Nabil Ghobril (nabil@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Celma Da Silva Lago Baptistella (csbaptistella@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Danton Leonel de Camargo Bini (danton.camargo@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Felipe Pires de Camargo (fpcamargo@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Alberto Angelo (jose.angelo@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Maximiliano Miura (maximiliano.miura@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Paulo José Coelho (pjcoelho@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor

 

 

 


Governo do Estado de SP